Mergulhados, imersos nas águas

Batismo com (no) Espirito Santo.

Pergunte na sua igreja quem já foi batizado e verá que poucas mãos se levantarão.

Por quê?

Porque a grande parte das pessoas acredita (e foi assim ensinada) que a evidencia do batismo é o falar em línguas. Logo, quem não fala em línguas não foi batizado, não tem o Espirito Santo dentro de si.

Confesso que por anos pensei da mesma maneira, fato que me constrangia, pois aquele que não fala em línguas é taxado como alguém que busca pouco, ora pouca, clama pouco, e só a alguns meses consegui compreender o engano por acreditar em tudo que pregam sem antes fazer como faziam os Bereanos, conferindo a fundo, pesquisando a palavra.

Deixo claro que não darei aqui uma aula sobre o assunto, se você tiver interesse me mande seu e-mail que lhe encaminho a aula que tive em detalhes.
A grande verdade é que todos que aceitaram Cristo, que o receberam como seu único e suficiente salvador também receberam o Espirito Santo.

Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória.
Efésios 1:13,14

O falar em línguas trata-se de 1 das evidencias do batismo.
A transformação de vida, de conduta é evidencia de ser ou não habitação do Espirito Santo.
Receber o Espírito Santo e ser por ele habitado ocorre no momento da salvação, agora , estar cheio do Espírito Santo é um processo diário.

O falar em línguas deve sim ser buscado e almejado, o que não podemos é julgar que o tem ou não.




Ah! A pobreza.





Deparamo-nos com ela nas ruas e vielas das cidades. Crianças sujas, velhos recolhendo latinhas, cachorros tão magros quanto seus donos. Esfarrapados, fedidos, desprezíveis.
Mas a pobreza também está nos bairros nobres, em condomínios gradeados. Prada, Lacoste, Zara. Está ela habitando no coração de pessoas acomodadas em seus apartamentos confortáveis que ignoram os abandonados a beira do caminho.
A pobreza está naqueles que jogam moedas em gavetas por julgá-las sem valor, naqueles que se recusam comer algo sempre igual todos os dias.
A pobreza está enraizada na mente fútil de um ser que julga digno de desprezo alguém que veste o mesmo vestido (que custou mais que uma geladeira) mais de 1 vez no ano!
Enxergamos a pobreza material, na falta do dinheiro tão estimado.
Mas, pobre mesmo é aquele que – seja artista ou não, esteja na mídia ou não – que desvaloriza o dinheiro que o outro não tem.

Pobre é aquele que acumula $$$ enquanto órfãos e viúvas morrem pela falta deles.

Padrão de santidade

Um porco pode se comparar a outros porcos e se achar limpo.
Mas se comparado com um ser humano ele precisa de muita ajuda.
Assim somos nós, se comparados a D-us, o trabalho é muito longo.
Comparados a Deus, nós, humanos, temos a mesma necessidade.
O padrão de santidade não pode ser encontrado entre os porcos cochos da terra, mas no trono celestial.
O próprio Deus é o padrão.

Trecho do livro: Ele escolheu os cravos – Max Lucado.

Um pai que gosta de presentear.

Você já pensou alguma vez por que Deus se dedica tanto?

Nossa existência poderia ser medíocre.

Ele poderia ter deixado o mundo sem forma e cinza;

Nós nunca saberíamos a diferença. Mas não foi isso que Ele fez.

Ele jogou a cor laranja no nascer do sol e pintou o céu de azul.

E se você gosta de ver o vôo dos gansos poderá observar isto também.

Teve Ele de fazer a bela cauda do esquilo?

Foi Ele obrigado a fazer o canto dos pássaros?

E a forma engraçada como as galinhas ciscam ou a majestade do trovão
quando emite seu som?

Por que dar cheiro à flor? Por que dar sabor aos alimentos?

Seria porque Ele adora ver este olhar em seu rosto?

Se nós damos presentes para demonstrar nosso amor, quanto mais Ele? Se nós — salpicados de excentricidade e cobiça gostamos de dar presentes, quanto mais Deus, nosso puro e perfeito Deus, gosta de nos presentear. Jesus disse:

“Se, vós, pois, sendo maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem?” (Mt7.11)

Fonte: Ele escolheu os cravos – Max Lucado

7 coisas

7 coisas que você precisa saber sobre o Santo dos santos

1) Nele não cabe um coração inteiro, só aquele quebrado em pedaços;

2) Lá dentro não existe espelho, você só se enxerga ali pelos olhos de Deus;

3) Uma vez que tenha entrado lá você pode se sentir livre, mas até chegar lá terá que cumprir um protocolo de acesso;

4) Trata-se de um local de entrega, ali não se recebe nada;

5) Para entrar lá você precisará de ousadia e fé;

6) Pelo tempo que ali permanecer, você deverá estar envolvido em reverência e temor; 

7) Este é o lugar onde você é mais desejado e aguardado.

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O MUNDO VIRTUAL E AS MÍDIAS SOCIAIS

Por: Ed René Kivitz

1. Não viverás no mundo virtual, apenas farás incursões. Não substituirás o mundo real pelo mundo virtual.

2. Não venderás a alma para ganhar seguidores. Evitarás factóides e fugirás das polêmicas pelas polêmicas.

3. Não construirás de ti mesmo uma imagem fake no mundo virtual. Não manipularás as pessoas para que pensem de ti mais do que convém. Conscientemente constuirás tua identidade no mundo virtual.

4. Não te confundirás com o teu avatar. Não permitirás que tua identidade seja determinada pelo que dizem a teu respeito nos comentários das tuas postagens.

5. Não serás displicente, negligente e descuidado a respeito das fronteiras da tua intimidade. Cuidarás das dimensões pública (o que qualquer um pode saber), privada (o que apenas as pessoas com quem você se relaciona sabem), e íntima (o que apenas as pessoas para quem você revela sabem). Isso vale também para a vida dos outros.

6. Saberás claramente as razões porque estás presente no mundo virtual e utilizas as redes sociais. Não te tornarás o assunto das tuas mídias. Não falarás apenas de ti mesmo. Aliás, quase nunca falarás de ti mesmo. Oferecerás conteúdo.

7. Não protagonizarás barracos no mundo virtual. Não agredirás pessoas com fofocas, calúnias e difamações. Debaterás ideias, não pessoas. Não serás melindroso: lembre-se que quem fala o que quer, ouve o que não quer, inclusive bobagens. Não serás covarde, dizendo no mundo virtual o que não dizes olhos nos olhos.

8. Não plagiarás. Respeitarás os direitos autorais.

9. Não usarás as mídias sociais para destruir, mas para construir. Não serás apenas contra, mas dirás do que és a favor e farás propostas.

10. Não cairás na armadilha embutida na expressão “rede de relacionamentos”. Relacionamento virtual é uma contradição de termos.