Sexting….Uma Geração sem limites

Monique, uma jovem de 15 anos, estava namorando Alex, da mesma idade dela. Certa dia, namoravam pelo celular e a conversa esquentou e ele  lhe fez um pedido inusitado: que ela tirasse uma foto ou fizesse um vídeo ali mesmo, nua, com poses sensuais e enviasse a gravação para ele via telefone móvel, tipo SMS. No início, a adolescente rejeitou a proposta, mas o jovem insistiu e afirmou que estava com saudade e que a foto ficaria só com ele. Como ela estava apaixonada por ele, cedeu aos seus apelos, e na intimidade do seu quarto, fez um miniensaio erótico e o enviou pelo celular.
Com o que Monique – no fervor e na inocência dos seus 15 anos – não contava é que, em apenas um mês, Alex terminaria com ela, e o pior: que o seu “ensaio sensual”, feito ali no seu quarto, estaria girando em todos os celulares e redes sociais na internet. Desesperada, a jovem só viu uma saída para fugir da vergonha e da gozação da galera na escola: conseguiu um grande número de comprimidos e, no mesmo quarto em que fez as imagens, cometeu suicídio.
Os nomes são fictícios, mas a história é real. Aconteceu com uma jovem nos Estados Unidos depois de ter tido suas imagens sensuais expostas na rede mundial de computadores. O que esses dois jovens praticaram está se tornando uma febre entre os jovens, o chamado “sexting”.
O nome deriva da junção de dois radicais oriundos da palavras “sex” (sexo) e “ting” (sufixo de “texting” = texto), o que origina o nome dessa prática: “sexo por mensagens”. Isso mesmo, o jovem tira uma foto erótica de alguma parte do corpo – como órgãos genitais, seios ou faz poses mais sensuais – e a envia para alguns contatos via telefone móvel. Logo, a imagem começa a circular numa velocidade incontrolável pela web.
Atrás dessa exposição estão escondidos perigos incalculáveis e incontroláveis que, a curto prazo, destroem a vida de uma pessoa psicologica e socialmente. Um adulto, por exemplo, que adere a esse tipo de relacionamento, além de cometer um crime, pode ter sua carreira profissional abalada, já que hoje empresas de recrutamento usam cada vez mais a internet para ver o perfil de seus colaboradores. Recentemente, entre os adultos, isso aconteceu com um deputado americano, o democrata Anthony Weiner, que enviou uma foto sua usando apenas uma cueca na rede de microblogs Twitter, fato que o fez renuniar ao mandato.
Com os jovens o perigo é ainda maior, pois os danos psicológicos podem durar uma vida inteira, e em alguns casos até acabar em suicídio, como foi o caso da jovem citada acima.
Em 2009, uma pesquisa realizada nos EUA constatou que 20% dos adolescentes americanos diziam ter enviado ou recebido fotos eróticas pelo celular, e 39% alegaram ter recebido ou enviado mensagens sexualmente sugestivas. No Brasil, a ONG Safernet informou que cerca de 11% dos estudantes brasileiros entre 5 e 18 anos já praticaram o “sexting”, compartilhamento de imagens íntimas ou sensuais em ambientes virtuaisMas com a explosão dos dispositivos móveis, como os smartfones, este número já deve ter aumentado muito.
O “sexting” é a prova de que a combinação tecnologia + explosão de hormônios pode ser = a má reputação digital e, é claro, ao deboche social.
Ninguém quer ficar malfalado por aí, mas existem pessoas que procuram; como diz um dito popular – bem básico: “Quem procura… acha”.

Adeus…

Quando abri os olhos não reconheci onde estava.

Eu sabia que meus pés estavam me levando para um abismo…

Sabia que seria uma viagem sem volta.
Sabia que precisava me segurar em algo para não ser levada por esta correnteza.
  não sabia em quê.

Cada passo era um erro.
Cada pensamento era um poço sem fim.
Cada gesto era uma condenação.

Tentei gritar, mas os ouvidos que me ouviram não me deram atenção.
Tentei pegar em uma mão, mas era a mesma que me levava para baixo.

Todos os julgamentos agora estão voltados contra mim.
Todos os dedos me apontam.

Mas ninguém sabe as lágrimas que chorei. 
A dor que senti. 
O refugio que não encontrei.



Só queria um amigo…Mas parece corri contra Ele.

Absurdo dos Absurdos

Vocês transformam o direito em veneno, e o fruto da justiça em amargura (Amós 6: 12)

Os cavalos correm nas planícies. É um absurdo fazê-los correr nos rochedos.
Os bois aram a terra. É um absurdo colocar uma junta de bois para arar os rochedos.
Mais absurdo ainda é transforma “o direito em veneno, e o fruto da justiça em amargura”.

É a pedra que precisa ser transformada em pão, não o pão em pedra.
É a água que precisa ser transformada em vinho, não o vinho em água.
É o escorpião que precisa ser transformado em ovo, não o ovo em escorpião.
É a mentira que precisa ser transformada em verdade, não a verdade em mentira.
São as relações sexuais contrárias à natureza que precisam ser transformadas em relações naturais, não as naturais em contrárias à natureza (Rm 1.25,26).

Semelhantemente, a injustiça social precisa ser transformada em direito e a amargura em paz, tranqüilidade e segurança (o fruto da justiça conforme Isaias 32.17), e não o direito em veneno e o fruto da justiça em amargura.

Abomino a pedra, o escorpião e o veneno. Fico com o pão, o ovo e a justiça!

A paz ,

Nele que é a nossa inspiração Cristo Jesus.
Rodrigo Souza

C.S. Lewis- Cristianismo Puro e Simples

“D_s é o nosso único alento, mas também o nosso terror supremo;

É a coisa de que mais precisamos, mas também da qual mais queremos nos esconder.
É nosso único aliado possível, e tornamo-nos Seus inimigos.
Certas pessoas parecem pensar que o encontro face a face com o Bem absoluto
seria divertido.
Elas devem pensar melhor no que dizem.
Estão apenas brincando com a religião. O Bem pode ser o maior refúgio ou o maior perigo, dependendo de como reagimos a Ele.
E temos reagido mal.”  
(Cristianismo Puro e Simples, p. 42)



Sétimo Dia em Nárnia: A Última Batalha – C.S. Lewis

Só lembrando: Chegamos ao fim (por enquanto) das postagens dessa maravilhosa obra. O que dizemos aqui não resume a imensidão da profundidade com que o escritor C. S. Lewis a gerou, mais são apenas, suas orlas. Boa leitura.
………………….

Estamos em uma sociedade movida pela indústria da moda. Essa por sua vez, hoje é usada como ferramenta não só por empresas de marketing ou campanhas políticas, mas também do inimigo para arrecadar multidões. Não estou falando de roupas, mas sim de pensamento, ideais, conclusões sobre o que é certo ou errado.
Confuso (nome de um dos personagens) sabia o que era certo, mas enganado pela bajulação de Manhoso recebeu a proposta de que pensassem por ele.
Não deixe pensarem por você, os pensamentos do SENHOR são mais altos que os nossos.
[…] – Confuso, você está maravilhoso! Ma-ra-vi-lho-so!-disse o macaco. – Se alguém o visse agora pensaria que é o próprio Aslam, o Grande Leão!
– Oh, não! Isto seria terrível!
[…]– Nem tanto – disse Manhoso.  – Todo mundo iria fazer qualquer coisa que você mandasse.
O mundo ou até mesmo quem está perto de nós tenta nos ludibriar destorcendo a perspectiva que temos do SENHOR. Ele é um só e só um caminho leva a Ele, o caminho da verdade (João 14: 6).
[…] Tash é apenas um outro nome de Aslam.  Toda aquela velha história de que nós estamos certos e os calormanos errados é pura bobagem.
[…] “Senhor, é verdade, então, como disse o macaco, que tu e Tash sois um só?” O Leão deu um rugido tão forte que a terra tremeu (sua ira, porém, não era contra mim), dizendo: “É mentira!
É fato que estamos em uma guerra, e se queremos realmente vencer por aquilo que é justo, devemos estar revestidos da armadura de Deus (Efésios 6: 10 – 17).
[…] ”E, constrangido pela verdade, acrescentei: “Mesmo assim, tenho aspirado por Tash todos os dias da minha vida.” “Amado”, falou o glorioso ser, “não fora o teu anseio por mim, não terias aspirado tão intensamente, nem por tanto tempo.  Pois todos encontram o que realmente procuram.”
Para Ele não é importante o Sistema ou as invenções humanas. O homem criou o Sistema, mas o SENHOR criou o relacionamento.
Aquele jovem tarcaã não servia a Tash, porque não pode jorrar de uma fonte doce, água salgada.
[…] E, à medida que Ele falava, já não lhes parecia mais um leão. E as coisas que começaram a  acontecer  a  partir  daquele  momento  eram  tão lindas e grandiosas que não consigo descrevê-las. Para  nós,  este  é  o  fim  de  todas  as  histórias,  e podemos  dizer,  com  absoluta  certeza,  que  todos viveram  felizes  para  sempre.  Para  eles,  porém, este  foi  apenas  o  começo  da  verdadeira  história. Toda  a  vida  deles  neste  mundo  e  todas  as  suas aventuras em Nárnia haviam sido apenas a capa e a  primeira  página  do  livro.  Agora, finalmente, estavam começando o Capítulo Um da Grande História que ninguém na terra jamais leu: a história que continua eternamente e na qual cada capítulo é muito melhor do que o anterior.
Não se esqueça; o  fim é só o começo.
Wanderson Vieira.

Sexto Dia em Nárnia: A Cadeira de prata – C.S. Lewis

Eustáquio E Jill Pole conseguem ir até Nárnia através de um velho portão nos fundos da escola onde estudavam.

rei Caspian já era muito idoso e estava em busca de seu filho, príncipe Rilian( que estava preso em uma cadeira de prata no mundo inferior).
Eles tiveram que iniciar uma aventura por conta própria, ajudados pelo pessimista paulama Brejeiro mas acabaram ficando presos nas terras do mundo interior onde a Feiticeira Verde tentou engana-los dizendo que Aslam não passa de um gatinho.
“Uma palavrinha, dona – disse ele, mancando de dor -, uma palavrinha: tudo o que disse é verdade. Sou um sujeito que gosta logo de saber tudo para enfrentar o pior com a melhor cara possível. Não vou negar nada do que a senhora disse. Mas mesmo assim uma coisa ainda não foi falada. vamos supor que nós sonhamos, ou inventamos, aquilo tudo – árvores, relva, sol, lua, estrelas e até Aslam. Vamos supor que sonhamos: ora, nesse caso, as coisas inventadas parecem um bocado mais importantes do que as coisas reais. Vamos supor então que esta fossa, este seu reino, seja o único mundo existente. Pois, para mim, o seu mundo não basta. E vale muito pouco. E o que estou dizendo é engraçado, se a gente pensar bem. Somos apenas uns bebezinhos brincando, se é que a senhora tem razão, dona. Mas quatro crianças brincando podem construir um mundo de brinquedo que dá de dez a zero no seu mundo real. Por isso é que prefiro o mundo de brinquedo. Estou do lado de Aslam, mesmo que não haja Aslam. Quero viver como um narniano, mesmo que Nárnia não exista. Assim, agradecendo sensibilizado a sua ceia, se estes dois cavalheiros e a jovem dama estão prontos, estamos de saída para os caminhos da escuridão, onde passaremos nossas vidas procurando o Mundo de Cima. Não que as nossas vidas devam ser muito longas, certo; mas o prejuízo é pequeno se o mundo existente é um lugar tão chato como a senhora diz.”
(A cadeira de prata pág.159)

Existem situações em nossas vidas que pessoas ou situações tentam nos fazer acreditar que toda nossa crença é uma mentira.
Querem nos fazer pensar que não existe a terra que Ele nos prometeu e que Ele não voltará pra nos buscar.
Mas assim como Brejeiro preferia continuar sonhando com Aslam e com o mundo que era muito melhor do que aquele em que estavam,
eu também prefiro e vou continuar sonhando e acreditando neste lugar onde:
As ruas são de ouro e de cristal e onde eu poderei estar para sempre ao lado do meu amado Jesus,
podendo adora-lo ETERNAMENTE! INCESSANTEMENTE!